Nós - e nossos parceiros - usamos cookies para oferecer nossos serviços e mostrar propagandas baseadas em seus interesses. Ao usar nosso website você concorda ao uso de cookies conforme explicado em nossa Política de Cookies. Mais

Aceitando automaticamente em {{ countDown }}

Conheça alguns termos técnicos de farmácia

Quem nunca se confundiu ou acabou esquecendo de um termo técnico em algum momento?

Para o farmacêutico, o uso dos termos técnicos é extremamente significativo, sendo assim, é indispensável que o profissional sempre esteja empenhado em aprender e atento aos termos para uma atuação mais completa, revelando assim a capacitação do profissional.

Abaixo veja alguns termos técnicos utilizados em farmácia, que o blog ‘’O Farmacêutico Digital’’ publicou.

Ação Auxiliar de diagnóstico 
Auxilia a diagnosticar uma determinada doença (uso de Luftal, antes de um ultrassom).

Ação Local 
O medicamento age no local onde foi colocado. Por exemplo, um creme antialérgico, um enxaguatório bucal ou um colírio.

Ação Profilática
Ação de prevenir doenças (vacinas).

Ação Sistêmica
O medicamento precisa chegar até a corrente sanguínea e depois atingir o local de ação. Por exemplo, um comprimido antialérgico, uma vez ingerido vai do sistema digestivo para a corrente sanguínea para depois ter a sua ação.

Ação terapêutica 
Ação de curar ou melhorar os sintomas de uma determinada doença (medicamentos antialérgicos, analgésicos etc.)

Chás medicinais
São feitos à base de plantas medicinais, de acordo com a técnica correta (por exemplo, algumas plantas devem ser fervidas, outras não devem ferver etc.). Se esses chás fazem algum efeito, então têm princípios ativos, não podendo, portanto, serem usados em qualquer quantidade.  Devemos ter uma quantidade definida, por exemplo, três xícaras ao dia. A frase popular “se é natural, não faz mal” não é verdadeira. Existem, inclusive, plantas tóxicas que não devem ser utilizadas, podendo levar à morte.

Denominação Genérica
Identifica o princípio ativo do medicamento

Dose
Quantidade de medicamento que deve ser administrado.
Pode ser:
dose máxima – máximo que um organismo pode suportar sem apresentar grandes efeitos colaterais. Não deve ser ultrapassada, a não ser com ordem expressa do médico.
dose mínima – quantidade mínima de um determinado medicamento, que produz uma determinada ação farmacológica.
dose terapêutica – fica entre a dose mínima e máxima. É a ideal.
dose letal – dose que se administrada leva à morte.

 

Droga
Produto de natureza animal, vegetal, mineral ou sintética, empregada na preparação de um medicamento. É uma matéria prima para a produção de um medicamento. Pode designar um determinado princípio ativo.

Excipiente
Substâncias que são acrescidas aos princípios ativos com a finalidade de dar forma ao medicamento na forma sólida ou pastosa.

Fármaco
São todas as drogas utilizadas em farmácia e com ação farmacológica definida.

Medicamento
Substância ou conjunto de substâncias com ação terapêutica, curativa, profilática, paliativa ou auxiliar de diagnóstico em benefício do recebedor.

Medicamento alopático
Medicamento feito de acordo com as técnicas alopatas. Podemos  resumir a alopatia como a “cura pelo contrário”, ou seja,  o medicamento causa um efeito contrário à doença, melhorando-a ou curando-a. ë um medicamento de ação contrária à homeopatia, portanto, a não ser que o médico prescreva, não devemos misturar tratamento homeopáticos com alopáticos, mesmo quando se referirem a doenças diferentes. O paciente deve sempre informar ao médico todos os tipos de tratamento que está fazendo.

Medicamento fitoterápico
Medicamento feito à base de plantas medicinais.

Medicamento homeopático
Medicamento feito de acordo cm as técnicas homeopáticas. Podemos resumir a homeopatia como a “cura pelo semelhante”, ou seja, o medicamento homeopático causa no organismo uma reação semelhante à doença, fazendo com que o próprio organismo reaja a ela.

Nome Comercial
Nome dado pelo fabricante de acordo com critérios próprios.

Nome Genérico
Nome dado ao medicamento de acordo com a Denominação Comum Brasileira (DCB). Através desse nome, podemos comparar os diversos medicamentos existentes no mercado, sabendo quais têm a mesma composição ou quais são as diferenças.
Por exemplo, losartana potássica: pode ter vários nomes comerciais como Cozaar (Merck Sharp & Dohme) -Referência para as doses: 50mg e 100mg, Corus (Biosintética)-Referência para a dose: 25mg, Torlós (Torrent), Valtrian (Medley), Zaarpress (Sigma Pharma), Zart (Eurofarma), Aradois (Biolab). A DCB é uma normatização relativa aos nomes dados aos medicamentos, feita de acordo com a Denominação Comum Internacional – DCI, que é feita pela Organização Mundial de Saúde – OMS.

 

Princípio Ativo
Parte do medicamento que responde pela ação farmacológica deste, ou seja, substância que causa a ação esperada.

Remédio
É uma palavra aplicada no sentido geral, sendo utilizada a todos os meios usados para prevenir, melhorar ou curar as doenças. Deste modo, podemos chamar de remédio os medicamentos e também os meios físicos (radioterapia, massagem etc.) e os meios psíquicos (psicanálise, tratamento psicológico etc.)

Uso externo
Indica que o medicamento deve ser usado na superfície do organismo, apresentando normalmente ação local. Podemos exemplificar como cremes, pomadas, colutórios e colírios. Normalmente não devem ser ingeridos, nem devem ser injetados.

Uso interno
Indica que o medicamento deve ser usado no interior do organismo, apresentando normalmente ação sistêmica. Podemos exemplificar como comprimidos e injeções endovenosas.

Veículo 
Substâncias que são acrescidas aos princípios ativos com a finalidade de dar forma o medicamento na forma líquida

Veneno
Todo medicamento ou toda substância química pode ser um veneno, dependendo da pessoa que o ingere e a quantidade ingerida. Porém, podemos dizer que um veneno é uma substância que mesmo em pequenas quantidades pode levar à morte.

Via de administração
Via por onde é introduzido o medicamento. As principais vias são:
via oral – através da boca.
via parenteral – através do uso de medicamento injetáveis, como intramuscular, endovenoso, subcutâneo etc.
via mucosa – através da mucosa do corpo, como mucosa nasal, retal, vaginal, bucal etc.
via tópica – através da pelo, como cremes, pomadas, adesivos transdérmicos etc.

 

Confira também:

https://www.ithpos.com.brpos.com.br/como-tornar-um-profissional-de-excelencia-na-area-de-farmacia-clinica/

https://www.ithpos.com.brpos.com.br/dia-do-farmaceutico/

Agora você pode ter uma especialização em Goiânia ou na sua cidade, faça uma Pós Graduação EAD ou Presencial. Clique no botão abaixo para conhecer os nossos cursos e tenha uma Pós Graduação em saúde.